A ideia é que sejamos muitos para falar de samba, prontidão e outras bossas, de nossas coisas, de coisas nossas, conforme em 1932 compôs Noel Rosa, esse excepcional compositor brasileiro que trouxe alegria e inspiração a várias gerações e a quem pedimos que apadrinhe este sítio.

A ideia de coisas nossas, nossas coisas já estava presente no sitio anterior, o msc, criado em 2002 (e já desativado), quando o .com.br era restrito a pessoas jurídicas. Portanto, ficou como msc.jor.br – de jornalista, formação e profissão deste escriba, cujo nome responde pelas iniciais msc. No sítio virou minhas, suas coisas. Com o .com.br aberto a pessoas físicas, foi feita a migração, mas mantida a ideia de juntar minhas e suas coisas.

A busca pelo novo nome navegou por diversas praias, mas sempre com a intenção de coisa nossa, que dissesse sobre valores, ideias e interesses que pudessem aglutinar pessoas brasileiras em busca de sair da superficialidade, que tentasse mergulho, que não se contentasse com a superfície da informação que nos é oferecida dia a dia. Alguns nomes escolhidos já haviam virado domínios registrados no registro.br.

Ai surgiu o nossasbossas. Bossa é uma palavra interessante: chega ao português, nos explica o mestre Houaiss, pelo francês (boce em francês antigo). Bottia, do período pré-romano na Península Ibérica, já se referia a “tendência, propensão, disposição”. Bossa também é protuberância. As corcovas do camelo, por exemplo, ou uma saliência qualquer no corpo. No Brasil, além do uso por Noel, bossa destaca-se por nomear o movimento musical surgido nos anos 1950/1960, a Bossa Nova. Inicialmente referia-se à forma de cantar e tocar samba, quebrando o paradigma do formalismo e dos vozeirões dos cantores da época.

Curioso também é que tanto Noel de Medeiros Rosa como a Bossa Nova expressam momentos especiais de transição da sociedade brasileira e se projetam a partir da cidade do Rio de Janeiro, principal centro de irradiação cultural do país: as transformações decorrentes da Revolução de 30 e aquelas posteriores à Segunda Grande Guerra, respectivamente. Na música, Noel afasta o samba do ritmo do maxixe, “dando uma pontuação mais elaborada e em sintonia com o processo de urbanização” (conforme Antonio Pedro Tota, em “Cultura, política e modernidade em Noel Rosa”), e a Bossa Nova o aproxima do jazz surgido nos Estados Unidos.

Os dois contextos são distintos. Se pudêssemos fazer um paralelo, o momento estético de Noel seria representado, na política, por Getúlio Vargas. Uma tentativa de construir um projeto de nação que rompesse com o atraso do latifúndio, sua política do café com leite e com a dependência externa. Getúlio busca um projeto de conciliação de classes: socializa o prejuízo do latifúndio, financia o patronato urbano com programas de incentivo à industrialização e coopta o proletariado urbano com direitos sociais. Tenta enfrentar o capital internacional. Essa contradição permeou o período de Getúlio e esteve expressa na estética de Noel, conforme trecho do professor Tota: “Os duelos baudelerianos davam-se entre o proletariado-esgrimista e a modernidade burguesa que o gestava e o aniquilava de um só golpe (Berman, 1989). No Brasil, Noel se aproxima mais da proposta oswaldiana, que apresenta o boêmio (sou do sereno) como o contrário do burguês e não o proletário clássico, expropriado da mais valia marxista.” Ainda recorrendo a Tota: “Noel é o crítico da sociedade burguesa e de suas contradições em meio ao impacto da modernidade. Burguesia que carecia de uma verdadeira identidade burguesa, isto é, sem a tradição das burguesias forjadas nas lutas liberais de moldes europeus. Daí sua tendência ao mimetismo. Pode-se dizer que essa classe média só vai adquirir identidade com a futilidade proporcionada pela mídia impressa, radiofonisada e depois televisiva das décadas de 50 e 60”.

Exatamente quando entra em cena a Bossa Nova, representando um momento que poderia ter como símbolo político Juscelino Kubitschek e a opção por um novo tipo de desenvolvimento com aprofundamento do endividamento e a simbólica abertura do mercado para as indústrias automobilísticas. E uma das identidades dessa época é a Bossa Nova que, no dizer de José Ramos Tinhorão, é produto “de uma classe média carioca ligada ao jazz”. Segundo Tinhorão, “os brasileiros ofereceram aos norte-americanos uma nova visão da sua própria música”. Se não fosse mais, somente isso seria suficiente para reconhecer a bossa brasileira nessa reinterpretação. Essa absorção de elementos do jazz combina perfeitamente com a abertura da economia, com o ambiente de liberdade e com a explosão da classe média na era JK.

Esses dois projetos continuam se enfrentando até que os militares, em 1964, resolvem a questão e põem fim a essas e outras bossas.

Junto com as outras bossas de Noel, estavam também o samba e a prontidão. Para o professor Tota, “o termo prontidão é usado com um claro sentido indicador da miséria, condição da maioria da população brasileira”. Pronto é sinônimo de duro, sem dinheiro. Da letra de Noel: “Baleiro, jornaleiro/ Motorneiro, condutor e passageiro/ Prestamista e vigarista/ E o bonde que parece uma carroça/ Coisa nossa, coisa nossa”. São, destaca Tota, “personagens urbanos, vivendo no limite do miserê (miséria), corporificados nas "profissões", no cotidiano. Profissões de deserdados, de um lumpenproletariado subproduto da modernidade. Baleiro e jornaleiro – "profissões" de homens sem profissão”.

Mas prontidão, também, lembra outro professor, José Miguel Wisnik, em seu “Veneno Remédio: o futebol e o Brasil”, “é o significante do desembaraço, da desenvoltura, da capacidade de improvisação”. Assim, conclui: “é um traço de excesso e de carência, de mais e de menos. Para jogar o jogo que ela instaura, temos de suportar o fato de que a palavra diz ao mesmo tempo uma coisa (o desembaraço), a outra (a pobreza), e ainda outra: o ponto mais-que-irônico em que esses sentidos opostos se somam e se abolem, sem se reduzir.

A linguagem é afirmada no seu ponto de suspensão: não é fixada na letra, mas deliza indeterminada, somando-se a outras bossas”. Wisnik continua destacando que bossa, no Brasil,virou significante de “um 'patrimônio imaterial' de difícil nomeação: a ginga, o jeito, a disposição a habitar o intervalo do ritmo, os hiatos da linguagem, os meneios do corpo, ou seja, um equivalente mais qualificado de prontidão. Pode-se dizer que a bossa é uma prontidão avisada, que conhece os atalhos do tempo e do espaço, que vai sem pressa e sem abrir mão da graça e da malícia”.

Essa “prontidão avisada”, essa bossa, esse nosso “patrimônio imaterial” são o nosso veneno e nosso remédio, ou, ainda, nosso remédio e nosso veneno, ou nosso remédio-veneno ou nosso veneno-remédio. O que Wisnik diz sobre futebol serve para o nosso caso: “nessa corda bamba entre duas posições insuficientes é preciso não cair, por um lado, na apologia das qualidades inefáveis do futebol e da versatilidade nacional, sem perguntar como elas se historicizam. E não cair, por outro, no mero exame das condições externas em que o futebol se realiza, sem entrar no mérito arriscado de saber em que é que ele consiste. (O equilíbrio tem de se fazer, justamente, compensando a queda para os dois lados, de modo que saber cair nos dois riscos seja a condição para não cair da corda)”.

Esse andar na corda bamba e correr riscos é a própria vida. E não se tem feito outra coisa neste país e em nossa história. Não somos os escolhidos por Deus (Deus é brasileiro), mas também não estamos fadados ao fracasso eterno por termos sido colonizados por portugueses e muito menos não somos sérios - para ficar somente em alguns esteriótipos.

Somos sim fruto de um processo histórico. E é isso que deveria estar em questão. Esse equilíbrio na corda bamba, que não deve ser visto como imparcialidade, e essa busca por respostas e alternativas são objetivos deste outrasbossas.com.br. Pois, como Noel, estamos aqui indignados com a modernidade que exclui e somos saudosistas sim do lúdico e do prazer em fazer, em saber e em ser. Quem estiver pronto, que venha conosco.

Mário Simões

O Noel ai em cima é arte de João Apoena sobre desenho de Elifas Andreato para a coleção "Noel Pela Primeira Vez", a partir de desenho do próprio Noel.

Publicado em Para Guardar

Texto do  cineasta italiano Pier Paolo Pasolini sobre o futebol, escrito depois de vitória brasileira na Copa de 1970 no México. Pasolini analisa a linguagem do futebol, com sua prosa e sua poesia. Assim, diz Pasolini, "justamente por razões de cultura e de história, o futebol de alguns povos é fundamentalmente de prosa, seja ela realista ou estetizante; ao passo que o futebol de outros povos é fundamentalmente de poesia".

Publicado em Cultura

Extrato do excelente livro "Veneno Remédio – O Futebol e o Brasil", em que José Miguel Wisnik aborda o futebol, sua apropriação pelo brasileiro, e reflete sobre o Brasil e sua formação, transitando pelo pensamento de nossos melhores pensadores. Um livro imperdível para quem gosta de futebol, mas principalmente para quem quer estudar o Brasil, sua formação e seu povo.

Publicado em Cultura

Texto do cineasta Pier Paolo Pasolini sobre futebol, escrito meses depois da final entre Brasil e Itália na Copa de 1970.

Publicado em Futebol Arte

No Brasil, o futebol é praticado como um culto coletivo. No panteão desta religião popular, duas figuras dominam: a de Pelé, o negro, e Garrincha, o índio.

Publicado em Futebol Arte
Página 1 de 2