Sábado, 10 Setembro 2016 10:36

Dom Angélico critica resposta de Temer ao papa

A Igreja Católica engrossa as fileiras dos que se opõem ao golpe. Depois do comentário do papa, que admitiu até adiar sua visita ao Brasil, Dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito da Diocese de Blumenau, durante a homilia de 7 de setembro, fez uma crítica direta ao presidente Michel Temer: “tem gente ai dando interpretação tola e ideologicamente parcial às palavras do papa”. Temer participava da reunião do G20, na China, quando o papa Francisco disse que o Brasil “atravessa um momento difícil”, numa referência ao golpe que destituiu Dilma Rousseff. A notícia foi divulgada pela agência de notícias estatal italiana Ansa, a mesma que já informara, em 2 de agosto, que o papa havia enviado carta à ex-presidente. Dilma confirmou: “digo apenas que não foi uma carta oficial”, ressaltou. “Não foi uma carta do papa em sua condição de representante do Vaticano. Não é uma carta para ser divulgada”.

Da China mesmo, no dia seguinte à manifestação do papa Francisco, dia 4 de setembro, Michel Temer respondeu: “Ele (o papa) revelou uma preocupação com o Brasil, uma preocupação que, convenhamos, todos temos. Eu acho que a alegria se formará pouco a pouco”, disse tentando amenizar a observação do papa.

Na homilia de 7 de setembro Dom Angélico foi enfático: “querem ouvir, olhem, eu tomei nota, porque é preciso que a gente repita. Tem gente ai dando interpretação tola e ideologicamente parcial às palavras do papa. Mas o papa vendo a situação de agora, do Brasil, tem muita gente na miséria, de certos políticos sem vergonha e corruptos, certos industriais corruptos que já estão cheio de dinheiro e ainda roubam em cima daquilo que deveria ser destinado para o povo: saúde, educação, moradia e transporte”.

E continua: “escutem o que o papa, nosso querido papa Francisco, disse agora no sábado quando recebeu lá no Vaticano a imagem de Nossa Senhora Aparecida: “convido-os para que rezem, para Nossa Senhora Aparecida continue a proteger todo o Brasil, todo o povo brasileiro. Neste momento triste, que ela proteja os pobres, os descartados, os idosos, os abandonados, os meninos de rua, que salve o seu povo com a justiça social e o amor de seu filho Jesus Cristo. Assim falou o papa e assim gritamos no grito dos excluídos que se realiza pelo Brasil afora”, destacou remetendo aos milhares de manifestantes que foram às ruas no mesmo 7 de setembro (“que se realiza”) gritar “ForaTemer” e pedir “DiretasJá”.

Antes de ser indicado por João Paulo II para ser bispo da nova Diocese de Blumenau, em abril de 2000, Dom Angélico foi Vigário Episcopal em São Miguel Paulista, que ainda estava ligada à Arquidiocese de São Paulo. A região de São Miguel Paulista é composta por bairros populares e operários e Dom Angélico teve marcante atuação em favor da população menos favorecida, sendo o bispo responsável pela Pastoral Operária. Por isso tem autoridade para falar “dos descartados”: “o sistema capitalista, explorador e sem-vergonha, é o responsável pela miséria de milhões no mundo, não só no Brasil não”.

Como exemplo apresentou sua solidariedade aos bancários em greve: “banqueiros acumulam fortunas … e quando se trata de aumentar os salários .. é aquela disputa que faz com que bancários entrem em greve. Parabéns bancários, vamos lutar ao lado de vocês! Porque Jesus está ao lado dos pobres e dos explorados.”

Dom Angélico continuou batendo firme e criticando as ameaças aos direitos sociais feitas Michel Temer: “E que esses que às vezes ocupam cargos de poder e estão, agora, a mudar muitas coisas ... até leis trabalhistas, conquistadas com suor e sangue através dos anos .. elas sejam deixadas de lado. Para favorecer quem? Aqueles que detêm o poder econômico”. E ainda alertou para o perigo das mudanças na Previdência: “ tem mais, cuidado com aquilo que vão fazer com a Previdência! Que peguem os privilegiados e não aqueles que já sofrem no dia a dia”.

O vídeo completo pode ser visto aqui.

Última modificação em Sábado, 10 Setembro 2016 11:47

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.